quinta-feira, 23 de julho de 2009






















Depois


Preciso comprar um amor, meu senhor

É! Sim... um amor

Desses que a gente idealiza a vida toda:

Tranqüilo, sereno, fiel, leal, verdadeiro, compreensivo e o mais importante: eterno!

É sim uma encomenda

E que dure o resto da vida, não quero saber de trocas

Quero comprar o seguro desse amor

Não de ter outro se esse se for

Mas de tê-lo renovado quando estiver já desgastado

É sim meu senhor... sorte não tive em ter um de graça

Muito menos artimanha ou estratégia para conquistá-lo

Durante toda a vida, não consegui abrir meu coração

As pessoas se foram e eu sempre fiquei indiferente

Não tive tempo de observar esse “pequeno” detalhe

Imagine o senhor...

Se com tantos planos, tarefas, muito trabalho para alcançar a prosperidade e o reconhecimento

Eu teria tempo de parar para procurar um amor?

Me disseram que o dinheiro compra tudo, pois bem!

Agora o compro meu senhor

E sou exigente!

O quero perfeito

Que tolere meus defeitos

O quero assim senhor...

Exatamente assim...


Senhor?

Meu senhor?




O senhor desapareceu quando a noite se foi
E os olhos o despertou para a solidão do quarto vazio




Ana Paula Almeida
23-07-2009

3 comentários:

Anônimo disse...

Todos sonhamos com um amor igual ao do casal de velhinhos que ainda anda de mãos dadas mesmo depois de meio século juntos. Quer saber, eu também quero fazer essa aquisição, e quero nota fiscal!

filipe2143 disse...

legal esse, legal mesmo

Anônimo disse...

...DEPOIS... ME VEJO NAS ENTRANHAS DESTE POEMA...VOCE CONDUZ O RITMO PARA ALGO QUE PULSA INVISIVELMENTE EM PALAVRA